Trilha sonora: Caximbocó – Banda Os Ciganos

O prefeito da Copa Pantanal. O baixinho Romário ajudou.

Mauro Mendes, goiano de Anápolis, empresário do ramo metalúrgico, é o novo prefeito de Cuiabá, capital de Mato Grosso. Ele é do tipo insista, persista, mas não desista. Self made man do cerrado. Em 2008, perdeu as eleições para prefeito de Cuiabá. Em 2010, perdeu a eleição para governador do estado. Desta vez, no segundo turno, ganhou do militante petista, médico e vereador, Ludio Cabral.

Cuiabano não é bocó

 

Fotos de Thiago Bergamasco/MidiaNews/MT

“Ninguém sai de 4%, e chega ao segundo turno, e alcança mais de 140 mil votos, sem uma trajetória de acertos”. “O desacerto” , diz a professora Guiomar Neves, foi o discurso de Lula jogando empregado contra patrão na Cuiabá em desenvolvimento, carente de mão de obra, onde o bom trabalhador é bemvindo. O baixinho Romário ajudou Mauro Mendes a ganhar. O baixinho Lula não ajudou Ludio. O prejudicou com discurso baixo astral, de intriga. Reclamando do calor de Cuiabá. Fazendo graçinha. Parecia cumprir uma pesada missão eleitoral”.

Passo a palavra digitada a professora Guiomar Neves: “Cuiabano caminha como bocó, fala como bocó, mas não é bocó. O Ludio estava crescendo. Perdeu por pouco no primeiro turno. Os dois estavam empatados. Ninguém sabia quem ia ganhar.

Falava-se ate em vitória por idade. Porque Mauro ganhou folgado? Deu uma surra no governador, no presidente da Assembléia Legislativa, nos caciques? Havia empate técnico diziam as pesquisas, jornais, TVs. Do discurso de Lula em diante Ludio foi caindo, caindo. Perdeu de goleada.

Professora, não entendi. Explique?

“Você não é bocó. Nem bobó cheira-cheira. Você viveu no comunismo e no capitalismo. Você sabe do que estou falando. Eu estava lá na Praça das Bandeiras. Vi e ouvi muito bem o que Lula fez e disse. Beijou a careca do locutor. Fez graçinhas.

  

“Lula é baixinho. De longe, parecia um anão vestido de branco. Só na altura ele se assemelha ao presidente Getulio Vargas. Parecia um garnisé em quintal alheio. O tempo todo reclamando do calor cuiabano. Não gostei. Quando veio pedir o apoio do ricaço Blairo Maggi e de milionários do agro-negócio para a sua reeleição Lula não reclamou do calor. Achou “Cuiabá linda”.

Falou asneira: porque a verdade nua e crua é que rico não precisa da prefeitura”.

“De onde a prefeitura tira dinheiro para ajudar os pobres? Meu pai não é rico. È remediado. Trabalhou desde os dez anos. Empregamos umas 70 pessoas. Somos patrões decentes. Assim como há pobre decente, honesto, não corrupto, de boa consciência política. Devemos pagar impostos. È com eles, bem aplicados, que a prefeitura resolve problemas de pobres.

“Todos nós precisamos dos serviços da prefeitura. A qualidade de vida da cidade, o bem estar de todos, dependem da participação e do empenho de todos. Lula e a sua turma vivem jogando brasileiros contra brasileiros. “Luta de classes” com cachaça, sarapatel, baião de dois, e muita corrupção. O Valério, operador do Mensalão está brindo a boca. Já citou Lula e Palocci.”.

Cadê obra do PAC?

   

“Cuiabano não é bocó. O que Lula e seu governo fizeram por Cuiabá? Cadê uma obra do PAC concluída? As obras na cidade não são do PAC tão falado. São obras exigidas pela FIFA que seriam bancadas pela iniciativa privada. Sem essas obras Cuiabá estaria fora dos jogos”.

Nenhuma obra do PAC em Cuiabá?

Andando pelo centro histórico de Cuiabá- onde vivi dos 6 aos 16 anos- encontrei-me com o professor Edson Miranda, um entusiasta da Universidade Federal de Mato Grosso. “Menino de ouro” do Ministro Paulo Henrique  Simonsen. Secretário de Finanças de MT, gestão Pedro Pedrossian. Perguntei: é verdade que não há uma obra do PAC concluída em Cuiabá?

 

Entra prefeito, sai prefeito. E o centro histórico de Cuiabá não é revitalizado. À direita, a Escola Modelo Barão de Melgaço (atualmente Biblioteca Municipal), ao lado da Matriz, centro de Cuiabá. O prefeito Mauro Mendes nasceu em Goiás, estado que respeita e preserva Pirinopólis, Goias Velha, Chapada dos Veadeiros e outros sítios históricos, de visitação turística. Quem sabe um goiano faça o que cuiabanos não fizeram: revitalizar o centro histórico de Cuiabá.  Para dia e noite.

Não há obra do PAC. Perguntei: o Senhor votará em quem para prefeito de nossa cidade? No Ludio Cabral. Na segunda-feira, dia 29, telefonei para o professor Edson Miranda: “Mestre, havia um empate técnico, o que causou essa grande derrota do Ludio? O que mudou em três dias?

Lula com discurso desagregador. Não falou de competência. Experiência administrativa para governar a capital do pujante agronegócio a exigir pessoal competente, qualificado. Vivemos transformações no campo e na cidade. Aquele latifúndio secular-bem nordestino- improdutivo, em Mato Grosso, dá lugar à espetacular produção de grãos. Vamos colher 78, 5 milhões de toneladas. 1/3 da safra nacional. Com 60% desse total vendido. Lideramos em rebanho bovino”.

“No exterior Lula se vangloria dessa invejável conquista dos empresários do agro-negócio de Mato Grosso. No palanque, para o povão, Lula menospreza o empresário de sucesso. Faz chacota. Ludio ia bem. Lula não deveria ter vindo no finalzinho da campanha”.

Ridiculariza o vencedor que se fez rico 

    Professora Guimar: “Nunca li um livro”. Não preciso de diploma universitário para governar o Brasil”.  Porcaria de exemplo para uma juventude carente de tudo. E ainda por cima Lula distanciou o país dos centros do saber, tecnologia, pesquisa, da modernidade cientifica. O nosso atraso é colossal. Colou o Brasil à política externa de Hugo Chávez, da Venezuela. Perdeu tempo que não é dele- é da nação- com Noriega, Evo Morales, Gadaffi, Mubarack, Biscaya. Com ditadores e sanguinários”.

“Cuiabano não é bocó. Nenhuma obra estrutural. Cadê a reforma política que ele dizia ser prioridade? 40% da população nacional sem esgoto. Cidades cercadas pelo crime organizado. A saúde publica um crime pelo qual ele e seus comparsas deveriam responder na Justiça. Desorganização urbana galopante”. 

 

     

“A construção civil bombando. A relação patrão-empregado em bons níveis. Faltando mão de obra qualificada. E Lula com discurso das antigas, de agitador de porta de fábrica. Tem mais é que dançar Cachimbocó, sucesso dos Ciganos”.

 “Ai vem o sabichão insuflar cuiabano contra cuiabano onde centenas de construções precisam de mão-de-obra. Mais obras, mais empregos. Quantos trabalhadores honestos, competentes, Lula mandar para Cuiabá serão empregados.  Nós os tratamos corretamente. O discurso do Lula prejudicou o Ludio. Fez milhares de indecisos votarem no Mauro Mendes.”

Não tem mais o que falarA “cascata” secou.

Fala professora Guiomar: “Da “Revolução”. Da reforma política. Do não às alianças político-eleitorais espúrias, sujas. Do combate aos picaretas do Congresso. Da luta sem trégua contra a corrupção. Dos hospitais modernos. Das escolas inovadoras. Do fim das Cracolândias. Da defesa de nossas fronteiras. Do partido ético. De liderança honesta.

Sobrou o quê? O discurso da pobreza. Do pobre contra o rico. Mais velho que Matusalém e Fidel Castro. Sobrou o assistencialismo de Estado. Castrador, manipulador. Nesse ritmo, em duas décadas seremos iguais a Grécia, a Espanha, Portugal

 

No Maranhão do amigo Sarney, 54,27% % da população é pobre. Em Alagoas, do novo companheiro ex-pesidente Fernando Collor, 62.% de pobreza com indigência. No Piaui, a terceira maior pobreza do país, a coisa tá feia. Nesses estados Lula não discursa jogando pobre contra rico. Em Cuiabá, faz discurso de pobreza e ódio. Por isso seu candidato perdeu. E os senadores, deputados, TVs, imprensa, não dizem nada?” Pergunta a professora Guiomar Neves.

“Seus assessores deveriam ter-lhe ensinado que a pobreza de certas regiões do nordeste não é a mesma do centro oeste. A pobreza da Suburbia carioca de pagode, punk, escola de samba, festas, muito sexo, praia, não tem o mesmo nível de pobreza de Recife. De São Luis. De Belém. De Teresina”.

“Mas, Lula sabe que jogar pobre contra rico dá IBOPE. Principalmente em São Paulo. Lá ele deita e rola no discurso “luta de classes” que há muito o PT mandou para o lixo. Quem é a favor da pobreza? Ninguém. E toma palmas. Gritos de Viva Lula! O Carismático. O Gênio. O Vidente. Proclamado Deus por Marta Suplicy, prefeita medíocre. Carreirista. Tampax de ministério.”

Com quem Lula governou/governa?

“Lula vive insuflando pobres contra ricos. Pardos, negros, mestiços, contra “brancos de olhos azuis e verdes”. Fico na dúvida se ele me atinge. A minha família é sarará. Tipo Mauro Mendes, o novo prefeito de Cuiabá.”

“Discurso apelativo. Intriga perigosa. Somos o que somos porque unidos sem guerras e conflitos raciais. Ele usa esse mantra, essa oração a toda hora. Haddad fez o mesmo em São Paulo. Os candidatos de Lula a prefeito fizeram o mesmo. Por isso todas as cidades governadas pelo lulismo estão degradadas, invadidas, alto índice de criminalidade, bagunça urbana, cracolandia”.

“È o empresário rico, ou remediado, quem cria emprego para os Lula analfabetos e pobres que vão melhorar de vida em São Paulo. Em Cuiabá. Pelas cidades brasileiras. Com quem ele governou/governa? Quem paga os jatinhos e as despesas de suas muitas viagens no Brasil e no exterior?”

    

“Sarney é pobre? Collor é pobre? Maluf é pobre? Jader Barbalho é pobre? Antonio Palocci é pobre? Renan Calheiros é pobre? Erik Batista é pobre? José Dirceu é pobre? Delúbio Soares é pobre? Seu filho, o Lulinha, um “Ronaldo dos negócios”, é pobre? Lula nasceu pobre. Não é mais pobre. Hugo Chávez é pobre? Silvio Santos é pobre? O bispo Macedo é pobre? Os irmãos Marinho da TV Globo são pobres? Lula governa com os ricos e vem jogar empregado contra patrão em Cuiabá! Chupa manga caroço: Cuiabano não é bocó”.

Lula jogou Ludio no buraco

“A ministra Miriam Belchior, veio. O ministro Gilberto Carvalho, veio. Alexandre Padilha, o ministro da Saúde, veio. Aldo Rebelo, ministro dos Esportes, veio. Pesos pesados da República ajudaram a levantar a candidatura de Ludio que tinha a maquina do alinhamento político estadual e federal a seu favor.

“Ele cresceu e muito nas pesquisas. Mas, Lula com discurso mofento. Anos 80. Vingativo. Baixo astral. Prejudicou Ludio. Meus irmãos e irmãs, eleitores do médico-vereador, estão convencidos que se Lula não tivesse vindo a Cuiabá Ludio Cabral teria vencido as eleições”.

Prefeito por 4 anos

Wilson Santos, professor de história, presbiteriano, linda e meteórica carreira política. Vereador, deputado estadual, federal, prefeito de Cuiabá. Reeleito prefeito abandonou a cidade. Sepultou esperanças, alternativas. Saiu para uma aventura contra a reeleição do governador- mega empresário Blairo Maggi.

Tomou na tarraqueta” diz Vovo Fifina. Ela avisa: “Votamos no Wilson. Dessa vez foram 52 votos no Mauro Mendes. Se ele fizer como o Wilson e nos abandonar para se candidatar ao governo estadual vou fazê um troço nele. Prometeu tem que cumprir. Se Mauro não cumprir os 4 anos vai ficar com caganeira pro resto da vida. Não caçoa de mim. Nem do povo de minha falange”. Vovó Fifina fala. Vovó Fifina faz. Eu sei.

Vivendo e aprendendo.

Adoro voltar a Cuiabá para encontrar e aprender com pessoas lúcidas. Good vibration, como a professora Guiomar Neves. Verdadeiro achado de sabedoria política. Mais respostas dela serão publicadas.

Voltar a Cuiabá para dormir abraçado com Jurema-pele-doce- de leite-com coco ralado. Bisneta de Vovó Fifina. A minha protetora e benzedeira do bem. Completando 99 anos.

               

Jurema, 24 anos, tem a pele dourada, acetinada, como a da cantora pop star Beyoncé. Tudo nela é natural, pantaneiro. O sabonete. A pasta de dente. O esmalte. O xampu. O protetor solar de urucum. A comida. O cheiro dela é melhor que o da Gabriela cravo e canela. Mistura de jasmin, dama-da-noite, e rosa vermelha.

Ju, como consegue essa cor de pele? Pó de ouro, de verdade. Vovó guarda pepitas. Ela diz que pegava pepita e faísca de ouro no piçarrão do Ribeirão do Lipa. Misturo o pó de ouro na linhaça dourada com uns pingos de urucum e… o resto é segredo. Do meu corpo. Você já sentiu. Já provou. Só que ainda não descobriu. Viu e não enxergou.

Quando estou com Jurema esqueço Moscou, Nova York, Balneário Camboriu, Chapada dos Guimarães, Havana, São Paulo. Esqueço as dívidas. E  por momentos, esqueço o modo infame de se fazer política no Brasil#

 

 

 

 Irene Poconé/Amsterdam/Brasília:

Xana nova? A escolha é sua.

Nariz, rosto, peitos, barriga, bunda. Agora a mania é mudar o visual da xana. Parto natural, idade, obesidade, magreza, mudam contorno e elasticidade da vagina. O grilo ta nos lábios, principalmente os externos. Estados Unidos e Inglaterra lideram no numero de cirurgias. Mais de 3 milhões por ano.

No Brasil maravilha de cirurgia plástica a coisa ta crescendo. Adivinha o que estou fazendo em Amsterdam? Acompanhando M.T. Junqueira, mineira, 24 anos, dois filhos. O alemão dela ta bancando tudo. Vai sair apertadinha e com risquinho de cima embaixo. Tipo fechadinha. Na minha não vou mexer. Quem prova gosta como está.

Nos Estados Unidos a onda é xana nova, cor de rosa. Lábios de um centímetro de espessura. Na Inglaterra preferem xoxota mais carnuda. E no Brasil qual a preferida? Olha bem no quadro Grande Mural da Vagina de Jamie MacCartney, artista plástico inglês. A presidente Dilma bem que pode autorizar essa operação pelo SUS. (Irene Poconé)

O Repórter na História: fotos e rabiscos.

           

     

  1/2. Irina Gadeska, Varsóvia. A primeira namorada-ficada-no mundo europeu. 3. O primeiro dia de aula na universidade da Amizade entre os Povos-Patrice Lumumba, Moscou, 10 gráus abaixo zero. 4. Maitê Proença recebe de Jota Alves, em Cuiabá, o troféu da Democracia. A seu lado Aécio Neves e Dante de Oliveira. A homenagem foi outorgada a várias personalidades durante o Baile da Democracia no Waldorf Astoria de Nova York.

Divulgue. Encaminhe. Espalhe as boas novas ( opinativas):

www.oreporternahistoria.com.br