Nelson Gonçalves – Normalista

 

GOVERNO QUER COLOCAR COMPUTADORES NO LUGAR!

(O Dia-Rio) – Na falta de professores de Ensino Médio para disciplinas de Física, Química, Biologia e Matemática, o Ministério da Educação (MEC) pretende solucionar o déficit, no segundo semestre, com aulas gravadas e transmitidas pelo computador.

“Não temos professores disponíveis no mercado para atender a demanda”

“Com a educação digital pretendemos dar conta desse grande desafio que é o Ensino Médio”, reconheceu o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, após evento na Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas, ontem, no Rio.

Aconteceu virou manchete! Ainda bem que o jornal O Dia publicou a noticia. O IBGE- postando-se como agência de propaganda do governo- não divulga e não explica os números da catástrofe escolar que se abate sobre o país. O Globo Repórter/ TV bem que poderia sair um pouco das ervas medicinais, imagens de elefantes, cobras, mosquitos, bom e mau colesterol, como ter barriga de tanquinho, e mostrar o estrago que Lula e sua turma fizeram com o ensino médio no Brasil. O mesmo deveria estar fazendo Profissão Repórter ensinando o bom jornalismo investigativo de valor real para o país. Os radicais dirão que o canibalismo do nosso Ensino Médio é culpa do capitalismo. Dos EEUU. Da luta de classes. Outros que a culpa é de D. Pedro I e II. Os canalhas dirão: phoda-se!

Foram 30 anos de guerrilha e tomada do poder nas universidades federais. Tsunami de irresponsabilidade, delírio político, uso confuso da ideologia e de todos os oportunismos imagináveis. Greves em nome da democracia. Greves salariais. Greves políticas. Greves ideológicas. Greves corporativistas. Greve contra professores. Greve pelo uso da piscina ou construção de uma. Greve pelo preço da alimentação no refeitório. Greve para o uso da Canabis no Campus. Greve e paralisação curricular de seis, sete, nove meses. Cachoeiras de greve, neste exato momento, frustrando o ensino ha muito caótico, de baixa qualidade e baixíssima produtividade.

Paralisando o país pela cartilha da “herança maldita” da prática pseudo-ideológica. Incrível que na primeira década do século 21 formando apenas uns 10% da massa universitária com capacidade intelectual e profissional, a nação ainda tenha as universidades públicas paralisadas por falta de decisão  e covardia política dos que nelas mandaram por  quatro décadas.

O estudo e o ensino foram relegados a terceiro plano para dar lugar à reunião, reunião, reunião. Discussão das “várias linhas e teses políticas”. Cada grupo e facção com seu “Lula barbudo”. Imaginemos hoje testes de aprendizado e capacitação da “geração Lula nas universidades”. Onde estão os daquelas décadas do grande agito, das “revoluções”? Trabalham? Já se aposentaram? O que fazem? Quanto eles ganham? Qual seria o resultado de pesquisa da qualidade de vida desse pessoal? Qual a contribuição deles, real, objetiva, para o ensino, educação, cultura. Alô, IBGE?!

A ordem? A tomada do poder. Ensino? Depois da vitória.

E o país perdendo dinheiro e desperdiçando sabedoria. Parte de seu futuro indo pelo ralo da “educação, tecnologia, ciência”. A ordem era a tomada do poder. E as universidades se transformaram em trincheiras, barricadas com núcleos da inteligentzia que levaria à vitória. Nas universidades foram forjadas lideranças “ideológicas” e quadros políticos. Uns no Legislativo. Outros ocupam cargos da maior importância na República. Incrível como essa elite “ideológica” e financeira não demonstra o mínimo de constrangimento diante da catástrofe anunciada pelo ministro Aluizio Mercadante.

Haddad, ex- Ministro da Educação, um dos coveiros do Ensino Médio, quer governar a maior e mais importante cidade do Brasil.

“Primeiro a gente cuida dos professores, técnicos, reitores, “formadores de opinião” da massa de alunos-eleitores”. “A professorinha urbana e rural, a normalista vestida de azul e branco com o sonho de ensinar e ser útil à nação, essa a gente conquista e faz-a-cabeça pelo sindicato, pastorais, ONGs, ações comunitárias”. “Quando tomarmos o poder a gente as educa melhor”. “O que interessa agora, (de 1982 a 2003) é levantar as grandes massas universitárias, e chegarmos ao Poder/ Planalto/ Brasília”.

Quem se atrevesse a denunciar o “assassinato” do ensino médio (infra de uma nação) era chamado de “direita”, reacionário. A patrulha caia de pau no Campus, pela imprensa, nos círculos artísticos, grupos intelectuais. Todos hipnotizados pelo brilho da estrela vermelha que se perdeu nas nebulosas do buraco negro. O que mais se ouve é a unanimidade de camelo. “Precisamos investir no ensino médio. Vejam o sucesso dos “tigres asiáticos”. Argentina e Chile são melhores que nós”. È o óbvio lulante! Simples: se o ensino médio é fraco o universitário será fraco. O profissional fraco. Com o país dependente de todas as químicas. Usado, terceirizado, explorado. Nossos avanços são de Pirro. O nosso atraso tecnológico é assustador, secular. No ensino não há milagres. Sabe ou não sabe. Por isso somos o país do chutômetro, achismo. Da “cascata” e das cachoeiras.

Adicione-se ao “assassinato” do ensino médio o exemplo do Chefe da Nação a se vangloriar de “nunca ter lido um livro e ser Presidente sem curso escolar”. Presidente esperto. Dá nó em pingo d’água. Gênio da articulação e da soma com todos os contrários. O Cara de todas as copas latinas e do Brasil Bonzinho, Caridoso, Doador, Tecnologicamente subdesenvolvido, Vídeo-Idiotizado, Acovardado, Anestesiado, Corrupto.

E agora Lula? Não temos professores!

E os que temos para suprir a demanda de que fala Mercadante, com raríssimas exceções, não estão devidamente preparados para as novas exigências científicas, tecnológicas, sociais. Não foram devida e dignamente reciclados. Não se improvisa mestres da noite para o dia. O déficit de professores é devastador. Dilma, se quiser, puder, e tiver coragem, terá que importar professores de matemática, física, química, biologia, etc. È o que mais há na Eslováquia, Canadá, Polônia, Dobai, Rússia, Coréia do Sul, Hungria, Cingapura, Japão, Estados Unidos, Inglaterra, Noruega, Suécia, Cuba…

Foi uma década perdida com obras maquiadas. Superficialidades. Besteirol. Ensino e cultura de novela. Imagens bonitas na TV. Mentiras. Promessas. Delírios sul-americanos. Megalomania. Migalhas. Cala-boca. Castração cultural.  Anestesia política. Mediocridade musical, artística. Retrocesso e estagnação da criatividade. Hipnose dos sonhos. E escândalos, muitos escândalos. Nenhuma reforma essencial e institucional. Nenhuma estrada de ferro concluída. Nenhum aeroporto novo. A qualidade de vida urbana cada vez pior. Governantes tapando o sol com peneira em gambiarras sociais. Como na seca nordestina. Que continua dando frutos eleitorais e “importantes lideranças”. Tipo Collor e Lula. Oh! Bendita seca!

A década Lula cria o estudante Goog-lulano.

Na falta de professores o governo entrega a juventude brasileira, o futuro do país, à Wikipédia, Ensino Eletrônico, Face book, MSN, Orkut, Twitter, e tais. Mas, afinal para que ler e entender, pesquisar, ir fundo no conhecimento “se eu posso ser vereador, deputado, senador, lobista, Presidente da República, ganhar muito dinheiro e resolver para sempre os problema$ dos meus chegados”? Para que professor se existe novela? Se existe o Google, invenção tecnológica de domínio refinadíssimo do capitalismo que Lula e os seus criadores e mentores prometiam combater e derrotar? Sem professores estaremos sempre a reboque.

A palavra de ordem continua sendo: “ganhar as eleições de 2012 e nos manter no poder central de 2014 adiante”. Ganhar eleições no Brasil significa faturar mais. Mas, e o ensino médio, a base da nação? Continua sendo empurrado com a barriga, quebra-galho, improvisação. “Neste momento temos outras prioridade$”. “Não há professor. Mas, o governo dará a oportunidade de consultar e aprender pelo computador”. Saída pela pior tangente. O país investe e espera 10 a 12 anos para estudante entrar na universidade mais 4/5/7 anos para que ele ingresse no mercado de trabalho e passe a ser um cidadão “full time” do Brasil..

Lula distanciou o Brasil dos centros das alternativas
do Saber, Tecnologia, Ciência, Criatividade, Modernidade.

Nas muitas viagens ao exterior Lula por acaso se interessou pelo Ensino Médio? Quantas escolas ele visitou, viu e enxergou? Com tantas possibilidades à mão quantos convênios ele assinou com o Ensino Médio do Canadá, EEUU, Austrália, Inglaterra, Argentina, Coréia do Sul? A brasileira Silvia, Rainha da Suécia, ofereceu professores, instrutores, intercâmbios. Lula distanciou o país dos centros do Saber, Ciência, Tecnologia, Criatividade, Modernidade. O uso confuso e demagógico de “ideologia e estratégia” do atraso, do terceiro mundo-quando não existe mais o segundo mundo-fez Lula perder o TEMPO DO BRASIL com “barra pesada”, ditadores, delirantes, que foram e estão sendo expulsos do poder.

Quando o presidente viaja o tempo não é dele, o tempo é da nação. Nunca antes na história desse país um presidente fez tantas viagens inúteis com resultados inúteis. Mas, muitas obras de empreiteiros amigos e doadores para eleições estão em andamento no exterior graças a essas viagens. Sem controle do Congresso. Sem dar satisfação a ninguém. Livre e solto. Comendo do bom e do melhor. Dormindo e sonhando além das nuvens em seu Aero-Lula o presidente que virou às costas para o Ensino Médio de seu país responderá com o inexplicável daquele outro presidente desajustado que bagunçou o Brasil: “Fi-lo porque qui-lo”.


Em país que leva a educação de seu povo a sério computador não substitui professor. Educação digital é importante, mas é complemento. No Brasil de políticos e gestores públicos idiotas, malandros, mentirosos, oportunistas, corruptos, estamos a criar o cidadão meio-livro, meia-cultura, Goog-lulano. Mistura de burro com zebra. È bem Brasil. È bem década Lula! (RH)

 


ÍNDICE DE INCLUSÃO DIGITAL NO BRASIL: (CPS-FGV)!

Estados:  S. Paulo 48% / Estado do Rio 43% / Santa Catarina 41% / Paraná 38%.

Argentina 66% / Chile 41% / Uruguai 37% / Brasil 33%.

Capitais. Florianópolis 61% / Curitiba e Palmas 59% / Brasília 56% / Porto Alegre 55%.

Zona Sul do Rio-Capital: Barra da Tijuca 93,9% /  Lagoa 92% / Recreio 90,1% / Leblon 86,7%.
Brasil: Por que você não está conectado a internet? 33% não acharam necessários ou não quiseram / 31% não sabem usar / 29% não tem acesso a um computador PC. (As porcentagens se aplicam sobre 67%).

*Queremos a primeira “Casa de Irene” em Natal. Gostamos muito de holandesas. Nossas brancas são descendentes dos flamencos. Mita, Paulo, Josué. Natal/RGN

*Irene Poconé ta certa: Sexo pode. Corrupção não pode! Se esse povo todo: senadores, deputados, governadores, prefeitos, Juízes, Desembargadores, dentro e fora do governo de Da. Dilma/Lula, que ta mamando, roubando, desviando, tivesse transando mais, sem grilo, o Brasil não estaria nessa brochada toda. Freud dizia aos alemães: não façam guerra, façam amor. Aos belgas: mais sexo e menos roubo. Peraggio/MG.

*Caro Jota: Poder é a capacidade de fazer as coisas. Política é a capacidade de decidir que coisas precisam ser feitas. O Perón de Pernambuco não fez nenhuma, nem outra. Embaralhou-se todo em corrupção, em ideologia de araque. Justino/Nova York.

Semanalmente: www.oreporternahistoria.com.br


Os rios são nossos irmãos. Eles aplacam nossa sede, transportam nosss canoas e alimentam nossos filhos.Por isso você deve ter para com os rios a benevolência que teria com qualquer irmão. Cacique Seatle, EEUU.

Os textos deste blog podem ser transcritos, copiados, distribuídos.

oreporternahistoria@gmail.com